Das Loucuras (terceiro dia útil! ou nem tanto)


Foto: Lucas Landau
Matéria: Matéira aqui!

-------- // --------

Das Loucuras (terceiro dia útil! ou nem tanto)

Dia calmo com água fria pode ter tubarão!
Hoje é absolutamente desigual, díspar e de outra cor
Do terceiro dia útil do ano que já passou.
Até parece que a memória permite ter a lembrança de tal situação.

Eu não tenho amigos (hipoteticamente falando),
Vivo em uma ilha deserta,
Com o sol escaldante num céu escaldado,
Encoberto pela névoa
Do fruto de um futuro melhor...
Assim como foi quase todo o passado.

Noite agitada com água quente para o banho,
Mas o chuveiro elétrico pode dar choque.
A ação começa calcada na paz (é só um toque),
Com o vozear objetivo, forte, influente e fanho.

Introvertido, pensativo, ativo é atrativo vivo...
Mente leve e corpo pesado (um pouco acima do peso).
Falas instrumentais conduzem o corpo, selvas sérias;
A alma no jazz é plateia,
O bilheteiro está sempre de férias...
Pois a entrada é franca.

Mais escritos, menos estribos, sol e lua e tribo...
O fogaréu é excessivo – um brinde ao paraíso...
Voltamos a escrever, nada de férias...
Pois a estrada é longa, botem banca.

André Anlub®
(3/1/18)

Postagens mais visitadas deste blog

Miúda, Van Gogh e Matisse

A chuva bem-vinda

Poema Invictus