Postagens

Mostrando postagens de Julho 26, 2017

Jovem reinado

Imagem
Jovem reinado do velho Rei (23/11/14)

É duro, é mau, um trabalho pesado 
– mal pago e demasiadamente cansativo;
É puro osso, mas é bom...
Vale a pena tal masoquismo – maniqueísmo.

Será?

Se liga que a opção é entrar em ação,
Largar a ração e comer caviar;
Vem cá, ver ar e respirar fundo,
Pois o fundo do poço sobrou ao cinismo.

Achei meu chiclete perdido no fundo da bolsa,
Amassado, solitário,
Ainda cheiroso e macio;

Achei meu clichê perdido na ponta da língua,
Engomado, acompanhado,
Ainda leso e embirrado, clamando pela soltura...
Por um fio!

E aquela formosa lacuna a ser preenchida?
- Talvez por um novo amor, um amor verdadeiro,
Com alma e cheiro – boca sedenta
Pintada de magenta e um ar de loucura.

E aquele tempo perdido?
- Talvez um sexo mal feito, um rasgo no peito
E o ardo compromisso de não ser omisso
E se dar por inteiro enlameando-se no ofício.

Eis um novo reinado de um grande palácio,
Com mais de cem quartos,
Sem seios fartos, orgia e folia...
Eco solitário na imensidão do vazio.

Quem seria o amor de onte…

Bras de fer

Imagem
Bras de fer

Chegou a hora: a imprensa televisada, falada e escrita
Avisava que a prensa teleguiada, fadada e escrota estava viva;
Bocas rocas se agitam; corpos belos dançam na luz do dia...
No parque os maratonistas atônitos com a rebeldia dos esquilos.

Dentro da filosofia poética regada com um café bem quente,
Acorda a imagem de todos, e quaisquer conjunturas são diferentes.
Visões de veredas verdes não são as mesmas dos azulejos azuis;
A vida por um triz, por um troço, por um treco jamais fará jus.

Nunca é tarde: a euforia toma a pele como uma protetora casca de ferro...
Doutora do tempo, detentora dos versos, inverte o avesso, faz berço do ego.
E outrora, quando a tempestade era eminente, vivia-se o “mate ou morra”;
Agora são outros tempos, coloca-se a faca nos dentes e a roupa para o enterro.

André Anlub
(26/7/17)