Postagens

Mostrando postagens de Junho 27, 2017

Caso do Acaso do Amor

Imagem
Caso do Acaso do Amor
Belas brumas sobre águas de um charco, Achaques dos impérios de um só Rei; No brilho lírico do meu espírito de porco, Oco ato da ata do fato em feito se fez.
Perdura perdida sem remos nem barco, Parco pecado, e cria-se um grande amor; No horror do ontem o hoje se torna infinito E como amiga navego banhada em um fardo.
Sinto-me colhida e calhada madura, Do pó ao pé da árvore que vocifera a vida; Ávida, nasci – nascendo – para todo sentido... Sentindo o amor, de pé ao pé de um novo muro.
Natural, ao natural, no atual e sublime, Sublinho e friso a cega irmã da justiça (eu); Nem me atiço: entro fresca na alma e na carniça Deitada calmamente em uma cama de vime.
Te aceito, traiçoeira paixão imprevista, Amor à primeira vista (meu início); Faço do acaso companheiro (terra à vista)...
Agora dono do meu mundo inteiro (precipício).