Tempo de recomeço


Remédios para uma cabeça retrógrada: uma dose de “amanhã” pela manhã, uma de “acaso” no ocaso e outra de “ironia” ao fechar do dia.

Tempo de recomeço

Reconheço o seu segredo mal contado...
O faço no coração, em confidência. 
Absurdo de um Você alienado
Outrora oculto largado louco laico lascivo lenitivo
Dentro de um perfeito vulto, indefinido...
Tudo unido, de vida munido
Na profusão da excelência.

Em contramão pelos guetos, ruas e esquinas
Dentro de uma suntuosa berlinda
Seguem o amor e o tempo – atentos
Observando nossas rotinas.

Então, pois até, de súbito
O súdito surge cercado por lobos
Proclamando o júbilo
Dançando com a fé e os bobos
Numa tarde qualquer de julho.

Declamam poesias uns para os outros
Que as pegam sem logra
Que as soltam com a boca
Em um tal tempo absorto.

O segrego segregou-se
Saindo do sossego à verdade
Aniquilando a iniquidade
Num tempo ainda não morto.

André Anlub®
(16/11/16)


Me rotulem para o bem ou para o mal, não há problema. Só não deslegitimem meus sonhos e minhas lutas.


Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI